Aplicativo desenvolvido pelo Google consegue traduzir hieróglifos
Museu dedicado à felicidade é inaugurado em Copenhague, na Dinamarca
21/07/2020
Pedra usada no jardim é o maior meteorito já encontrado na Alemanha
23/07/2020

Aplicativo desenvolvido pelo Google consegue traduzir hieróglifos

Novos recursos criados com o auxílio de inteligência artificial surgem todos os dias. O mais recente foi lançado pelo Google, que utiliza o aprendizado do sistema para traduzir hieróglifos. A função, disponível por enquanto apenas em inglês e árabe, pode ser acessada pelo aplicativo Arte e Cultura, que também conta com exposições de arte e visitas a museus de todo o mundo.

O aplicativo Fabricius, como foi batizado, é uma parceria do Google com o Centro Australiano de Egiptologia, a Universidade Macquarie e as empresas de tecnologia Psycle Interactive e Ubisoft, além do apoio de egiptólogos ao redor do mundo. Pesquisadores interessados em colaborar com a funcionalidade podem comentar e retocar símbolos desbotados na ferramenta.

O aplicativo Fabricius, como foi batizado, é uma parceria do Google com o Centro Australiano de Egiptologia, a Universidade Macquarie e as empresas de tecnologia Psycle Interactive e Ubisoft, além do apoio de egiptólogos ao redor do mundo. Pesquisadores interessados em colaborar com a funcionalidade podem comentar e retocar símbolos desbotados na ferramenta.

Para desenvolver o aplicativo, a equipe responsável pelo projeto utilizou análise de registros históricos e definições linguísticas. O pesquisadores garantem que a ferramenta melhora ao longo do tempo à medida que é utilizada pelos usuários. Esta é a primeira ferramenta treinada artificialmente para entender o que um hieróglifo é de fato.

O projeto ainda não está finalizado. Em entrevista à BBC, professor de egiptologia da Universidade de Liverpool, Inglaterra, Roland Enmarch, disse que a ferramenta “não está no estágio em que ela pode dispensar a necessidade de um especialista altamente treinado em leitura de inscrições antigas”, acrescentando que “há ainda alguns grandes obstáculos para ler hieróglifos porque eles foram feitos à mão e variaram demais ao longo do tempo de acordo com nível de detalhe pictográfico e com os responsáveis pelas inscrições”. Mesmo com as ressalvas, o professor reconhece que o aplicativo desenvolvido pelo Google é um importante passo para as pesquisas.

Semelhante ao aplicativo Fabricius, o Google anunciou recentemente que, em parceria com pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), foi possível decifrar a antiga escrita Linear B, o sistema de escrita mais antigo empregado pelo idioma grego que se conhece, usado entre os séculos XV a.C. e XII a.C., com o auxílio de inteligência artificial.

Semelhante ao aplicativo Fabricius, o Google anunciou recentemente que, em parceria com pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), foi possível decifrar a antiga escrita Linear B, o sistema de escrita mais antigo empregado pelo idioma grego que se conhece, usado entre os séculos XV a.C. e XII a.C., com o auxílio de inteligência artificial.



Open chat
1
Olá! Como podemos te ajudar?