Brasil tentou raptar Napoleão Bonaparte para torná-lo imperador da América do Sul - Traduzca - Tradução juramentada, simultânea e documentos. Orçamento online!
Traduzca é a responsável pela tradução simultânea inglês-português do primeiro Congresso Catarinense de Saneamento
11 de setembro de 2017
Cientistas criam exame capaz de detectar o câncer a partir do DNA
13 de setembro de 2017

Brasil tentou raptar Napoleão Bonaparte para torná-lo imperador da América do Sul

Yes, we can”. O lema é da campanha eleitoral do ex-presidente Barack Obama, mas também faria sentido se estivesse atrelado aos fatos históricos lá no início do século XIX, um dos mais revolucionários e conturbados da história. Na época, tudo era possível. Não havia limites para o imaginário humano. O Brasil desse período também foi palco de sonhos e planos surreais. Quer um exemplo? Então, aí vai: viajar até a Ilha de Santa Helena, no Atlântico Sul, raptar Napoleão Bonaparte e transferi-lo para a América do Sul, onde ele seria Imperador de um imenso território composto pelas antigas colônias espanholas e portuguesas. Quando este projeto foi arquitetado, Napoleão era imperador da França e prisioneiro dos ingleses após sua derrota na Batalha de Waterloo.

O plano foi debatido em diversas ocasiões e envolveu personagens distintos. A ideia agradava até mesmo Napoleão, mas não foi executada porque as circunstâncias não possibilitaram. Do ponto de vista do ambicioso Imperador, o seu reinado na América do Sul parecia um projeto viável. Para Napoleão, governar o território europeu já era pouco. Não era de se esperar menos de um Imperador que, no auge de seu poder, chegou a comandar mais de 60 milhões de pessoas, isso em um período em que a população mundial era relativamente pequena. Os revolucionários americanos simpatizavam com Napoleão, uma vez que suas ações reformadoras na Europa colocaram fim aos antigos regimes de monarquia absoluta.

A primeira tentativa de libertação do Imperador ocorreu em 1817 através de Antônio Gonçalves Cruz, o Cabugá, que viajou aos Estados Unidos a fim de persuadir o governo americano a apoiar a criação de uma República independente no Nordeste brasileiro. Por trás disso, havia o projeto de recrutar revolucionários franceses que estavam exilados nos Estados Unidos para libertar Napoleão e, após, transportá-lo para Recife, onde ele comandaria a Revolução Pernambucana. O plano fracassou antes mesmo de ser colocado em prática.

Um novo plano para libertar Napoleão foi arquitetado no ano seguinte. Desta vez, quem o concebeu foi o Lorde inglês Thomas Cochrane, considerado uma lenda dos mares e herói da guerra contra Napoleão. Também nesse caso o plano fracassou.

Uma última tentativa de raptar Napoleão foi planejada pelos norte-americanos, mas a operação nem chegou a sair do papel porque o Imperador faleceu naquele mesmo ano. A causa da morte de Napoleão foi cercada de teorias, como envenenamento e câncer. A única certeza é de que o Imperador pode ser considerado um dos principais personagens dos projetos utópicos arquitetados no século XIX.

Comentários