Cacá Diegues é eleito para a Academia Brasileira de Letras
Conheça a origem e o significado dos nomes das quatro estações do ano
30 de agosto de 2018
Conheça itens que faziam parte do acervo do Museu Nacional da Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro
3 de setembro de 2018

Cacá Diegues é eleito para a Academia Brasileira de Letras

Cacá Diegues é o décimo ocupante da cadeira na Academia Brasileira de Letras, cujo patrono é Castro Alves.

Cacá Diegues é o décimo ocupante da cadeira na Academia Brasileira de Letras, cujo patrono é Castro Alves.

Ontem (30 de agosto), a Academia Brasileira de Letras anunciou o mais novo imortal da instituição. O cineasta alagoano Cacá Diegues, de 78 anos, recebeu 22 votos e foi eleito para ocupar a cadeira de número sete da entidade, que fora ocupada até abril pelo também cineasta Nelson Pereira dos Santos. Cacá Diegues é o décimo ocupante da cadeira na ABL, cujo patrono é Castro Alves.

Cacá Diegues nasceu em Maceió, capital de Alagoas, mas mudou-se ainda jovem para o Rio de janeiro. Cinéfilo desde a adolescência, também é poeta e jornalista. Como cineasta, já dirigiu mais de 20 filmes ao longo de sua carreira, como os sucessos “Xica da Silva”, de 1976, “Bye Bye Brasil”, de 1980, “Tieta do Agreste”, de 1995 e “Deus é Brasileiro”, de 2003, tendo sido premiado internacionalmente por seus trabalhos.

Segundo o presidente da Academia Brasileira de Letras, o escritor Marco Lucchesi, Cacá Diegues é um “crítico refinado, diretor reconhecido além fronteiras. Sua entrada é uma homenagem ao saudoso Nelson Pereira dos Santos, de quem foi amigo, através das novas lentes que ambos construíram para ver mais longe a nossa realidade”.

A eleição que definiu o novo ocupante da cadeira número sete contou com onze nomes na disputa. Além de Cacá Diegues, participaram Pedro Corrêa do Lago, Raul de Taunay, Remilson Soares Candeia, Francisco Regis Frota Araújo, Placidino Guerrieri Brigagão, Raquel Naveira, José Itamar Abreu Costa, Conceição Evaristo, José Carlos Gentili e Evangelina de Oliveira.