Cama encontrada em estacionamento pode ter pertencido ao rei Henrique VII - Traduzca - Tradução juramentada, simultânea e documentos. Orçamento online!
Editor de Matrix revela o que significa a abertura do filme
25 de fevereiro de 2019
David Bowie lançou seu próprio provedor de internet em 1998
27 de fevereiro de 2019

Cama encontrada em estacionamento pode ter pertencido ao rei Henrique VII

Móveis antigos são comumente encontrados em briques e lojas especializadas. Comprar e vender mobiliário é uma das especialidades do inglês Ian Coulson. Acostumado a restaurar esses artigos com mais idade, encontrou em uma de suas aquisições rotineiras, uma cama que pertenceu à família real britânica. Só este fato já valeria uma ótima história e alguns cliques em sites locais, mas o que ninguém esperava era que o objeto tivesse pertencido ao rei Henrique VII, que governou a Inglaterra de 1485 a 1509.

Coulson comprou o objeto por 2200 libras em 2010. À época, pensou “que fosse um exemplo supremo do movimento Artes e Ofícios”, como falou em entrevista para a revista National Geographic. Porém, quando parou para examinar tudo com calma, percebeu que alguns detalhes entalhados pareciam ter sido esculpidos com ferramentas manuais medievais e que o estado de conservação estava bem abaixo do esperado para um artigo com 150 anos. O inglês ainda descobriu que a cama foi usada em um hotel e abandonada num estacionamento em Chester, na Inglaterra.

Para descobrir a real idade da cama, Coulson reuniu um grupo de especialistas. Nove anos após a compra do objeto, descobriu-se que o móvel foi encomendado em 1486 para o casamento do rei Henrique VII com Elizabeth de York, união que deu fim à Guerra das Rosas, conflito civil que durou quase trinta anos. Os detalhes, talhados em madeira, são brasões reais e rosas que simbolizavam as famílias dos noivos, levando a crer que a peça tenha mais de 500 anos.

O historiador Jonathan Foyle, que participou do grupo de pesquisa, diz que a cama tem “os brasões reais, a cruz de São Jorge, as rosas das casas de Lancashire e York, símbolos de fertilidade, como a bolota (fruto do carvalho). Quem quer que tenha esculpido isso, tinha uma compreensão profunda da iconografia da época. É difícil imaginar alguém vindo depois que esculpisse essa cabeceira e simplesmente acertasse tudo”. Especialistas dizem que não há conhecimento de nenhum móvel da época do rei Henrique VII e que se for comprovada a identidade da cama, será uma raridade única.