Carta escrita por Cristóvão Colombo em 1493 é encontrada no Brasil
Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, é inovador em todos os sentidos
12/06/2018
Jornalista espanhol usa o Google Tradutor para fazer pergunta em francês
14/06/2018

Carta escrita por Cristóvão Colombo em 1493 é encontrada no Brasil

Imagine uma história que começou no início deste século, envolvendo vários países, a polícia e um objeto histórico com mais de 500 anos. Pode parecer, mas não é roteiro de filme. Hoje o blog da Traduzca fala sobre uma carta escrita por Cristóvão Colombo logo após sua chegada à América, que foi roubada na Espanha em 2004 e devolvida pelos Estados Unidos na semana passada.

Vamos começar pelo ano de 1493, quando Cristóvão Colombo escreveu um relato sobre o “Novo Mundo”, que ele acreditava ser as Índias Orientais. Em uma carta, o navegador registra sua chegada à ilha de San Salvador, que hoje conhecemos como Bahamas, aos Reis Católicos, Fernando e Isabel. O documento foi copiado ainda no século XV e faz parte da coleção de museus e bibliotecas espalhados pelo mundo.

A carta que Cristóvão Colombo escreveu assim que chegou na América, em 1493, foi roubada em 2004 ou 2005 do Museu Nacional da Catalunha.

A carta que Cristóvão Colombo escreveu assim que chegou na América, em 1493, foi roubada em 2004 ou 2005 do Museu Nacional da Catalunha.

Agora chegamos no início do século XXI, quando uma das cópias foi roubada da Biblioteca Nacional da Catalunha em algum momento de 2004 ou 2005, sem que ninguém percebesse. Foi aí que investigadores americanos entraram nas buscas. Os policiais descobriram que outras versões do manuscrito também tinham sido furtadas em Florença e no Vaticano, na Itália.

Os ladrões colocaram cópias falsificadas idênticas às que estavam expostas. No caso do furto espanhol, a carta foi vendida por duas vezes. A primeira vez, logo após o roubo, em 2005, por interceptadores italianos, por 600 mil euros, e a segunda vez, em 2011, por 900 mil euros, para um colecionador de São Paulo.

As negociações com o detentor da carta no Brasil foram até 2014, quando autoridades americanas e espanholas enviaram um especialista para analisar a veracidade do documento, que foi devolvido aos Estados Unidos. Durante a cerimônia de entrega do documento para o governo espanhol, o embaixador da Espanha em Washington, Pedro Morenés, disse que a carta é “um patrimônio cultural de enorme valor histórico e documental, já que apenas 16 exemplares dessas cartas impressas estão armazenadas em bibliotecas ao redor do mundo”.



Open chat
1
Olá! Como podemos te ajudar?
Powered by