Cidade da Itália está em silêncio para produção de projeto inédito - Traduzca - Tradução juramentada, simultânea e documentos. Orçamento online!
Projeto de restauração da tumba de Tutancâmon é concluído
28 de janeiro de 2019
Em cima do telhado e encerrado pela polícia, último show dos Beatles completa 50 anos
30 de janeiro de 2019

Cidade da Itália está em silêncio para produção de projeto inédito

Imagine a população de uma cidade inteira fazendo silêncio por mais de um mês. Sem buzinas de carros, festas (muito menos ao ar livre), pessoas correndo na rua ou conversando na porta de um bar. Nenhum barulho permitido. Isso tudo está acontecendo neste momento, e os moradores estão adorando a condição. Claro que há um ótimo motivo para o cuidado. É o que vamos explicar hoje aqui no blog. Mas tudo com muita calma, para não fazer barulho.

A cidade que está em silêncio é Cremona, localizada no norte da Itália. O local é o endereço das oficinas dos melhores fabricantes de instrumentos musicais do mundo, como Antonio Stradivari, que nos séculos XVII e XVIII, produziu alguns dos melhores violinos e violoncelos de todos os tempos. Com a ajuda da prefeitura local, o ex-DJ Leonardo Tedeschi sugeriu guardar para a eternidade os sons dos objetos.

Para captar o som do Stradivarius, um grande aparato foi montado na cidade. O projeto é liderado pelo engenheiro de som alemão Thomas Koritke e conta com quatro músicos profissionais que tocam centenas de escalas e arpejos usando dois violinos, uma viola e um violoncelo, durante oito horas por dia, seis dias por semana, ao longo de cinco semanas. Tudo começou nos primeiros dias de janeiro. Para a captação, trinta e dois microfones ultra sensíveis foram instalados no auditório do Museo del Violino de Cremona.

Mas ainda não explicamos porque toda a cidade precisou ficar em silêncio para que isso pudesse sair do papel. Quando o projeto estava quase pronto, em 2017, os engenheiros responsáveis descobriram uma passagem de som dentro do auditório. Tedeschi diz que as ruas de paralelepípedos ao redor do museu são um “pesadelo auditivo” e que “o som do motor de um carro ou de uma mulher andando de salto alto produz vibrações que correm debaixo da terra e reverberam nos microfones, tornando a gravação sem valor. Ou fechavámos toda a área, ou, o projeto não aconteceria”, explica.

O projeto, batizado de “Stradivarius Sound Bank”, vai formar um banco de dados com todos os sons possíveis que os instrumentos podem produzir. Os violinos, por mais preservados que estejam, se tornam frágeis demais quando atingem uma certa idade. Assim, as futuras gerações terão o prazer de ouvir o perfeito som que um instrumento pode proporcionar.

Comentários