Empresa russa planeja criar outdoor publicitário no espaço - Traduzca - Tradução juramentada, simultânea e documentos. Orçamento online!
Há 21 anos conectando pessoas e empresas através dos idiomas
22 de janeiro de 2019
Seis livros clássicos que podem ser lidos em apenas um dia
24 de janeiro de 2019

Empresa russa planeja criar outdoor publicitário no espaço

Ações publicitárias acontecem a todo momento. Andando pelas ruas, por exemplo, podemos observar placas, outdoors, cartazes e panfletos. Comerciais de TV, rádio e na internet também são muito comuns. Mas o que você acha de olhar para o céu e ser impactado por um anúncio no espaço? Isso não é coisa de outro mundo, e está prestes a acontecer aqui na Terra. Vem com a gente nessa viagem para entender o que vai acontecer.

O projeto é da startup russa StarRocket, e foi batizado como “The Orbital Display”, ou “cartaz orbital”, na tradução do inglês para o português. A ideia é usar nanosatélites cúbicos lançados através de outros satélites que já estão no espaço para criar os anúncios espaciais. Cada um dos nanosatélites refletirá a luz do Sol para formar um ponto, até que o anúncio fique completo. Assim, o outdoor espacial será visto apenas ao amanhecer e no crepúsculo.

A busca por investidores para bancar o projeto já começou, e o grupo russo também procura engenheiros e desenvolvedores para o sistema. Para ficar visível, o “letreiro” ficará a aproximadamente 500km da órbita da Terra, e poderá ser visto por todo o mundo, de três a quatro vezes por dia, em intervalos de seis minutos. A ideia é iniciar a produção das primeiras peças publicitárias ainda neste ano. Veja o vídeo de demonstração divulgado pela empresa responsável.

 

O projeto não foi muito bem aceito no meio acadêmico. O membro da Associação Internacional dos Céus Escuros (IDA, na sigla em inglês) John Barentine disse, em entrevista ao site Astronomy.com, que a ideia é “uma ameaça à liberdade astronômica da pesquisa do solo. Cada um desses pontinhos brilhantes e móveis no céu da noite é algo que pode interferir em nossa habilidade de coletar fótons de fontes astronômicas”. Já o russo Vlad Sitnikov, um dos coordenadores da empresa idealizadora, diz que “nós viveremos no espaço”, e que “os profissionais com mais experiência tornarão isso melhor para todos”.