Enigma ronda o quadro mais caro já vendido no mundo
Japão vive últimos momentos da era “Heisei”, do Imperador Akihito
29 de abril de 2019
Quatro fatos que marcaram o 1º de maio no mundo
1 de maio de 2019

Enigma ronda o quadro mais caro já vendido no mundo

O mundo da arte está à procura de um quadro. Mas não é qualquer quadro, e sim o mais caro do mundo. A obra “Salvator Mundi”, de Leonardo da Vinci, foi leiloada em 2017 e arrematada por 450 milhões de dólares. O novo proprietário da obra, porém, nunca teve seu nome revelado e, desde que foi vendida, seu paradeiro é desconhecido. Agora, no ano que lembramos os 500 anos da morte do gênio italiano, uma pergunta é lançada: você viu a pintura por aí?

Oficialmente, o comprador do quadro é o príncipe saudita Badr bin Abdallah, mas acredita-se que ele tenha agido por ordem do príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman (MBS). A informação, porém, nunca foi confirmada – nem desmentida. O quadro “Salvator Mundi” mede 65×45 cm e é uma representação de Cristo bendizendo o mundo com uma mão e segurando uma esfera transparente com a outra. A obra seria exposta em setembro do ano passado no museu do Louvre de Abu Dhabi, mas a exposição foi cancelada sem maiores explicações.

Segundo a Artiprice, entidade que atua como banco de dados de preços e obras de arte, teólogos da Universidade Al Azhar do Cairo teriam recomendado a Mohammed bin Salman que não exibisse a obra por questões religiosas, pois mostra Jesus como o salvador do mundo, um Deus – uma representação impossível para o Islã. A agência de notícias francesas AFP diz que entrou em contato com o Ministério da Cultura e do Turismo dos Emirados, que limitou-se a garantir ser o “dono” do quadro.

Especialistas em arte não chegam a nenhum consenso sobre o paradeiro da obra. Enquanto alguns afirmam que “Salvator Mundi” está no depósito do museu do Louvre de Abu Dhabi, outros cogitam que o quadro jamais tenha chegado lá. O mistério sobre o paradeiro da pintura começou quando o museu do Louvre decidiu organizar uma exposição em homenagem aos 500 anos da morte de Leonardo da Vinci e solicitou a obra para visitação. Em anúncio recente, o órgão que administra o espaço afirmou ter solicitado “ao Ministério da Cultura e do Turismo de Abu Dhabi o empréstimo do quadro” mas que, até o momento, não obteve resposta.