Guerreiro viking na verdade era uma mulher, revela estudo sueco
Esboços do roteiro de “O Mágico de Oz” irão a leilão nos Estados Unidos
22 de novembro de 2018
Carta em mandarim dentro de garrafa é encontrada no leste da Austrália
26 de novembro de 2018

Guerreiro viking na verdade era uma mulher, revela estudo sueco

O resultado do estudo apontou que a guerreira viking era uma renomada estrategista.

O resultado do estudo apontou que a guerreira viking era uma renomada estrategista.

Os Vikings foram, sem dúvidas, um dos povos mais temidos do final do século VIII até o século XI. Originários da Escandinávia, região que hoje é dividida entre Dinamarca, Suécia e Noruega, eles navegavam pelo norte da Europa saqueando cidades e matando quem cruzasse o seu caminho. Retratados como homens bárbaros e sem piedade, um estudo recente está provando que o mais famoso guerreiro é, na verdade, uma mulher.

Recentemente falamos aqui no blog da Traduzca sobre uma espada viking de mais de 1500 anos, encontrada na Suécia. E o país não para de revelar curiosidades sobre o povo bárbaro. O estudo comandado pela bioarqueóloga sueca Anna Kjellström, da Universidade de Estocolmo, foi atrás dos restos mortais que estão no túmulo do “Guerreiro Bika”, na cidade de Birk. Sepultado no local desde 1880, o corpo jamais fora analisado com tanta atenção desde então. O DNA de partes da mandíbula e restos da ossada pélvica mostra que o temido conquistador viking, conhecido até hoje como um homem bárbaro, era do sexo feminino.

A análise foi publicada em 2016 na renomada publicação científica American Journal of Physical Anthropology, mas não teve muita repercussão na época. Alguns especialistas até se manifestaram, refutando a hipótese e apontando que a pesquisadora confundiu os túmulos no momento da análise. Em resposta, uma outra equipe, agora da Universidade de Uppsala, liderada por Charlotte Hedenstierna-Jonson, retornou ao local e extraiu novas amostras de DNA da guerreira viking, para analisar a descendência genética e o sexo do indivíduo.

O resultado da nova análise apontou que o estudo feito pela bioarqueóloga sueca Anna Kjellström estava correto, revelando, inclusive, que a guerreira viking era uma renomada estrategista. O grupo chegou a esta conclusão após descobrir que ela foi enterrada segurando peças de jogos, sugerindo que era responsável pelas táticas de conquista e liderança de grupos.

Comentários