Expedição encontra últimas árvores gigantes da Mata Atlântica no Brasil
Em briga histórica com a Grécia, Macedônia quer trocar seu nome
29 de novembro de 2018
Pirâmides da China têm mistério antigo desvendado por astrônomo italiano
3 de dezembro de 2018

Expedição encontra últimas árvores gigantes da Mata Atlântica no Brasil

Infelizmente restam apenas 12% da Mata Atlântica original. Na cidade de São Paulo, entretanto, 17% de toda a floresta nativa original ainda está intacta.

Infelizmente restam apenas 12% da Mata Atlântica original no Brasil. Na cidade de São Paulo, entretanto, 17% de toda a floresta nativa original ainda está intacta.

Infelizmente restam apenas 12% da Mata Atlântica original no Brasil. Na cidade de São Paulo, entretanto, 17% de toda a floresta nativa original ainda está intacta.

Com certeza a Mata Atlântica é um patrimônio de todo o Brasil. Disso sabemos e não há dúvida. Infelizmente, nos últimos anos, nossas florestas têm sofrido muito com o desmatamento. Mais de duas mil espécies de árvores estão ameaçadas, seja pela urbanização em massa não planejada ou pelo descaso governamental na fiscalização. A boa notícia para quem ama nossas florestas é que ainda há árvores grandes (e bonitas) quase intactas. E o mais interessante: perto de grandes centros urbanos.

Durante alguns meses deste ano, o biólogo Renato Cardim, o fotógrafo Cássio Vasconcellos e o botânico Luciano Zandoná viajaram para Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Espírito Santo, Bahia e Alagoas em busca das árvores gigantes remanescentes da Mata Atlântica. Para achá-las, a dupla contou com a ajuda de acervos históricos, botânicos com grande experiência de campo, funcionários de parques e reservas e dicas via redes sociais.

O principal achado do grupo é uma figueira, a maior da qual se tem conhecimento na Mata Atlântica, com mais de 40m de altura e 21m de circunferência, localizada na reserva Legado das Águas, em São Paulo. E o mais incrível é que ela está a apenas 90km da capital paulista. Outra grande descoberta foi a segunda maior árvore, um jequitibá-rosa com mais de 40m de altura, batizado de Matriarca, por ficar próximo do jequitibá-rosa conhecido como Patriarca. Esse último, em Santa Rita do Passa Quatro, também em São Paulo, é considerada a árvore mais antiga do Brasil, com idade estimada em três mil anos.

Já falamos aqui no blog da Traduzca de bons exemplos envolvendo o reflorestamento, como é o caso da China. Infelizmente, por aqui restam apenas 12% da Mata Atlântica original. Na cidade de São Paulo, entretanto, 17% de toda a floresta nativa original ainda está intacta. Ela pode ser vista nos parques Trianon e Burle Marx, por exemplo. E há boas notícias: o desmatamento na mata atlântica em 2017 foi o menor registrado desde 1980, quando começou o monitoramento sistemático das ameaças ao bioma.

Comentários