Ferramenta compara mapas do século XVIII com atuais - Traduzca - Tradução juramentada, simultânea e documentos. Orçamento online!
Arquiteto usa emojis para decorar fachada de prédio na Holanda
18 de fevereiro de 2019
Designer paquistanês recria obras de Picasso em 3D
20 de fevereiro de 2019

Ferramenta compara mapas do século XVIII com atuais

Lugares passam por transformações a todo momento. Ruas são inauguradas, prédios são construídos, espaços verdes desaparecem. Enfim, o aumento da população faz com que bairros e distritos cresçam e expandam fronteiras. Poetizando, podemos dizer que a cidade de hoje não é a mesma de amanhã e também é diferente da de ontem. Mas agora é possível ver como alguns pontos do mundo eram no longínquo século XVIII.

O projeto que foi batizado como “Historical Map Collection” ou “Coleção de Mapas Históricos”, na tradução do inglês para o português, é uma parceria da Fundação David Rumsey com a Google. Segundo o site oficial, “a nova ferramenta inclui a pesquisa geográfica através da localização no mapa e pela cobertura do mapa antigo sobre o mapa atual, numa camada do Google Maps”. Veja aqui. São mais de 17 mil mapas escaneados e disponibilizados para visualização e download.

A ferramenta disponibiliza mapas de 118 países de cinco continentes, além de um mapa completo da Europa de 1787. O Brasil, por exemplo, é datado de 1842 e apresenta detalhes do Paraguai e do Uruguai dentro de nossas fronteiras. A carta cartográfica brasileira foi escrita pelo inglês John Arrowsmith e publicada junto ao Atlas de Geografia Universal de Londres, que mostrava as divisões físicas e políticas de vários países do mundo. Um detalhe que chama a atenção é que características culturais podem ser comparadas com as visualizações modernas de satélite, utilizando as barras para ajustar a transparência.

Os mapas têm informações importantes sobre o passado de cada lugar. Todos foram georreferenciados, criando imagens digitais únicas que permitem que os mapas antigos apareçam em seus lugares corretos no mundo moderno. A Fundação David Rumsey diz que alguns mapas se encaixam perfeitamente nos contornos atuais, enquanto outros apresentam a evolução dos lugares.