Francês matricula 15 ovelhas em escola para evitar fechamento de turma
Projeto recria as Sete Maravilhas do Mundo Antigo em 3D
14 de maio de 2019
Quarto com mais de 2 mil anos é descoberto próximo ao Coliseu, em Roma
16 de maio de 2019

Francês matricula 15 ovelhas em escola para evitar fechamento de turma

Em um município com aproximadamente 4 mil habitantes, uma escola com pouco mais de 260 alunos corria risco de ter uma turma fechada. Talvez você tenha imaginado um lugar no interior do Brasil, não é mesmo? Pois estamos falando de uma cidade francesa chamada Crêts en Belledonne, onde um pastor resolveu agir para que os alunos continuassem com as aulas normalmente. A solução para o problema foi inusitada: o francês matriculou 15 ovelhas no pequeno colégio Jules Ferry.

Tudo começou quando o governo francês informou à escola que uma das dez turmas deveria ser fechada pelo fato do número de alunos na escola ter diminuído, sendo que os demais alunos deveriam ser alocados em outras turmas. A proposta não agradou a pequena comunidade localizada próxima aos Alpes franceses. Foi então que o fazendeiro Michel Girerd resolveu matricular Baa-bete, Saute-Moutonforam, Dolly, Shaun, Carneiro de Salta, Entediado e outras nove ovelhas no colégio. Todos os animais têm certidão de nascimento, e o registro foi aceito pela direção.

A medida de redução entraria em vigor em setembro deste ano, quando começa o próximo período letivo. Com o fechamento da turma, o número médio de alunos por sala de aula subiria de 24 para 26, o que, segundo o site Sky News, chegaria ao limite imposto pelo presidente francês Emmanuel Macron. Para evitar que isso acontecesse, o fazendeiro abriu as portas de sua propriedade na manhã da última terça-feira, dia 7 de maio, para que os “novos alunos” pudessem realizar a matrícula. Além do apoio massivo da comunidade, a ideia também foi aprovada pelo presidente da câmara de vereadores local.

O protesto bem humorado buscou mobilizar a comunidade e as autoridades locais para este problema que, segundo Gaëlle Laval, um dos organizadores da iniciativa, seria um “desastre”. Em entrevista à agência de notícias francesa AFP, ele afirma que a escola acolhe “crianças em dificuldades” e que com a matrícula dos animais, o encerramento da turma não deve mais acontecer.