Livreiro salva manuscritos de 800 anos no Mali, na África
Traduzca está presente no 25º Festival do Turismo de Gramado
7 de novembro de 2013
Jovem inglês afirma ter viajado por 196 países em cinco anos
11 de novembro de 2013

Livreiro salva manuscritos de 800 anos no Mali, na África

Um herói anônimo em meio a um cenário de guerra. Um herói que não pega em armas. Esse herói salva a memória de um continente. O livreiro e bibliotecário Abdel Kader Haidara (foto), da cidade de Timbuktu, no Mali, liderou uma operação preventiva de retirada de uma coleção que conta com manuscritos raros e cerca de 250 mil exemplares de livros, ao lado de outros colegas de profissão. Ele não quis esperar até que uma guerra entre o governo e radicais islâmicos fosse deflagrada em seu país. Assim, conservou viva uma parte da história africana.

O que Haidara fez foi transportar essa coleção para um local seguro. Ele e outros livreiros conseguiram levar cerca de 80% do acervo do Instituto Ahmed Baba até Bamako, capital do Mali. O deslocamento de cerca de 700 quilômetros entre uma cidade e outra teve o requinte de filmes de espionagem. Os carros foram disfarçados como se fossem de frete de frutas e verduras, e a gasolina foi custeada pelo Ministério das Relações Exteriores da Alemanha.

A operação da retirada das obras (manuscritos e pergaminhos, alguns com cerca de 800 anos) foi tão profissional que o prefeito de Timbuktu sequer soube o que houve com o acervo. Para ele, os manuscritos haviam sido queimados.

A localidade de Timbuktu é considerada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) como patrimônio mundial da humanidade desde 1988. A cidade é um centro comercial e cultural africano há quase um milênio. O Mali se tornou independente da França em 1960. Por ter sido colônia, o idioma oficial é o francês.