_yoast_wpseo_title
Museu holandês pede que visitantes desenhem as obras expostas
30 de novembro de 2015
Carteira de habilitação do Haiti necessita ser validada pela Embaixada
2 de dezembro de 2015

Nicolau Flamel: a história do homem que transformava chumbo em ouro

Você conhece as lendas que circulam o nome de Nicolau Flamel? O francês que viveu entre os séculos XIV e XV teria criado a pedra filosofal (não, não estamos falando do bruxo Harry Potter), o elixir da vida eterna e transformado chumbo em ouro. Escrivão e livreiro, acumulou uma fortuna com sua loja e ficou conhecido pela filantropia que realizava com sua esposa, chamada Dame Perenelle Flamel.

Nicolau-FlamelFlamel nasceu em 1330 e morreu em 1418. Porém, há quem diga que ele ainda está vivo, morando com sua esposa, em um centro de meditação na Índia, com 685 anos. A lenda de que ainda estaria vivo surgiu em 1418, quando um ladrão invadiu o Cemitério dos Inocentes, em Paris, à procura do seu túmulo. Quando sua lápide foi aberta, viu-se que estava vazia.

Outra lenda que ronda os 88 anos de vida (conhecida) de Flamel é a transformação de chumbo em ouro. Alquimista por hobby, ele dizia ter encontrado a fórmula para obter o material precioso em um manuscrito em hebraico antigo de Abraão, o Judeu. Após tentar por 21 anos, Nicolau teria decifrado a obra com a ajuda de um cabalista espanhol.

Para não deixar a descoberta morrer com ele, Flamel registrou o processo de transformação em seu testamento. Mas para que a descoberta não fosse dada de mão beijada, ele utilizou um código secreto que apenas seu sobrinho poderia decifrar. O testamento, que está guardado na Biblioteca Nacional de Paris, passou por uma tradução, na medida do possível, em 1758, por uma dupla de decifradores que, em vão, tentaram transformar chumbo em ouro.

A casa onde Nicolau Flamel e Dame Perenelle Flamel residiam, a mesma na qual ele realizou seus experimentos, continua erguida em Paris. Situada na Rua de Montmorency, é uma das mais antigas residências de pedra da capital da França. No térreo, hoje funciona um restaurante. O nome dos dois foram dados a ruas próximas ao Museu do Louvre, em homenagem a eles.