Obra de arte criada por algoritmo é leiloada em Nova York - Traduzca - Tradução juramentada, simultânea e documentos. Orçamento online!
Oito coisas que tinham um nome totalmente diferente e você não sabia
21 de dezembro de 2018
5 curiosidades sobre o russo Liev Tolstói, um dos maiores novelistas do mundo
8 de janeiro de 2019

Obra de arte criada por algoritmo é leiloada em Nova York

A tela, chamada “Portrait of Edmond Belamy”, que está exposta em Nova York, foi a primeira da coleção "La Famille Belamy", todas com telas feitas por algoritmos.

A tela, chamada “Portrait of Edmond Belamy”, que está exposta em Nova York, foi a primeira da coleção "La Famille Belamy", todas com telas feitas por algoritmos.

A tela, chamada “Portrait of Edmond Belamy”, que está exposta em Nova York, foi a primeira da coleção “La Famille Belamy”, todas com telas feitas por algoritmos.

Um fato inusitado para a indústria da arte aconteceu em Nova York. Um algoritmo, criado pelos três amigos Pierre Fautrel, Hugo Caselles-Dupré e Gauthier Vernier, todos com 25 anos, conseguiu produzir uma obra de arte. O que os três amigos não esperavam era o trabalho acabar indo a leilão na “Casa Christie”, tradicional casa de leilões de Nova York.

A tela, chamada “Portrait of Edmond Belamy”, foi a primeira da coleção “La Famille Belamy”, todas com telas feitas por algoritmos. Nela, aparece a imagem de um homem com pouca definição e, no canto inferior da obra, está a fórmula matemática aplicada para se chegar ao resultado. O projeto começou a ser desenvolvido a cerca de um ano, após a descoberta de um algoritmo que gera imagens.

O primeiro trabalho produzido pelo trio foi vendido para um museu de Paris. Porém, antes de começar a expor, os artistas testaram a receptividade entre o público em um site. O preço oferecido ficou próximo a 10 mil euros. No leilão nova iorquino, a obra foi vendida por um valor próximo a esse. Para criar a arte leiloada na “Casa Christie”, o algoritmo analisou 15 mil retratos produzidos entre os séculos 14 e 20, diz Fautrel, um dos artistas.

“Não sabíamos o que esperar do mercado. As reações são polarizadas. Muitos dizem que não há arte por causa da inteligência artificial, outros dizem que é ótimo e que cria um cenário para a arte”, comenta Fautrel. O leilão em Nova York vai ajudar a medir a receptividade do público em relação ao futuro da inteligência artificial na arte.

Outra proposta dos artistas é abordar a criação artística com a ajuda da inteligência artificial para comparar com a arte tradicional. Os novos projetos devem envolver a criação de obras em 3D, estes primeiros foram em 2D.

Comentários