Pesquisador afirma que asteroide pode ser “uma nave espacial que não funciona mais” - Traduzca - Tradução juramentada, simultânea e documentos. Orçamento online!
Na Holanda, o número de bicicletas supera a população total do país
13 de fevereiro de 2019
Cinco motivos que fazem da Finlândia a melhor educação do mundo
15 de fevereiro de 2019

Pesquisador afirma que asteroide pode ser “uma nave espacial que não funciona mais”

Você já ouviu falar no Oumuamua? Se não, vamos explicar. É um corpo interestelar descoberto em outubro de 2017, que passa pelo Sistema Solar em uma trajetória altamente hiperbólica. O objeto chamou a atenção do mundo nas redes sociais pelo formato diferente, com 400 metros de comprimento por 40 metros de largura, lembrando uma nave espacial digna de filmes de Hollywood. O que muitos acreditam ser apenas um asteroide, para um pesquisador de Harvard, é uma sonda alienígena sem uso. Em qual teoria você acredita?

Em janeiro deste ano, o pesquisador Avi Loeb, chefe do Departamento de Astronomia da Universidade de Harvard, concedeu uma entrevista para o jornal israelense Haaretz defendendo a hipótese de que o objeto é sim uma sonda alienígena. Ele afirma que “não temos como saber se é uma tecnologia ativa ou uma nave espacial que não funciona mais e continua a flutuar no espaço”. Ele completa dizendo que “se Oumuamua foi criado junto com uma população inteira de objetos similares que foram lançados aleatoriamente, o fato de descobrirmos isso significa que seus criadores lançaram um quatrilhão de sondas como esta para todas as estrelas da Via Láctea.

Essa hipótese começou a ser levantada quando o objeto girou no espaço e o brilho mudou, indicando que o corpo celeste tem uma forma achatada semelhante a um charuto ou uma panqueca, bem diferente dos asteroides conhecidos até então. Loeb e outro colega especulam que isso seria, então, um mecanismo de propulsão chamado vela solar, o que explicaria a estranha trajetória.

Durante a entrevista para o jornal israelense, Loeb disse, ainda, que “assim que sairmos do Sistema Solar, acredito que veremos muito tráfego” e que “possivelmente nós receberemos uma mensagem dizendo: ‘bem-vindo ao clube interestelar.’ Ou descobriremos várias civilizações mortas, isto é, encontraremos seus restos mortais.” Ele ainda sugere que o espaço está repleto de sociedades alienígenas e que nós terráqueos devemos nos concentrar em encontrar evidências sobre elas. “A busca por vida extraterrestre não é especulação. É muito menos especulativo do que a suposição de que há matéria escura no universo”, declarou o cientista, afirmando que “nossa abordagem deve ser arqueológica. Da mesma forma que escavamos no solo para encontrar culturas que não existem mais, precisamos cavar no espaço para descobrir civilizações que existem fora da Terra”.