Portugal elege “enfermeiro” como a palavra de 2018 no país - Traduzca - Tradução juramentada, simultânea e documentos. Orçamento online!
Série Doctor Who é homenageada pela NASA em descoberta de nova constelação
11 de janeiro de 2019
Atingido por fogo em 2018, o Museu Nacional do Rio de Janeiro vira brinquedo
15 de janeiro de 2019

Portugal elege “enfermeiro” como a palavra de 2018 no país

Como já é tradição, muitas publicações elegem as palavras que marcaram o ano que terminou. Ainda em 2018, falamos aqui da escolha do dicionário inglês Oxford, que elegeu “toxic” ou “tóxico”, na tradução para o português, como o verbete que marcou os últimos doze meses. No último dia 5, por exemplo, foi a vez da Porto Editora, grupo editorial de Portugal, anunciar que “enfermeiro” foi a palavra mais votada para marcar os 10 anos do concurso.

Ao contrário do Oxford, a Porto Editora abre votação pública para eleger a palavra do ano. Das dez concorrentes, enfermeiro ficou em primeiro lugar com 37,8% dos votos, pouco a frente de “professor”, que ficou com 33,4%. A lista de opções, que você pode ver completa abaixo, contém expressões atualmente relevantes em Portugal, mas que também são muito utilizadas aqui no Brasil, como “populismo”, “extremismo” e “sexismo”.

Segundo o site da Porto Editora, “a escolha dos portugueses pode refletir uma preocupação acentuada quanto à situação que envolve a classe dos enfermeiros, algo que poderá se estender aos professores, devido à elevada votação que a respectiva palavra registrou”, diz a nota que anuncia a palavra vencedora do concurso, que obteve 226 mil votos no total.

Enfermeiro — 37,8%
Professor — 33,4%
Toupeira — 10,6%
Privacidade — 3,1%
Assédio — 2,9%
Populismo — 2,8%
Extremismo — 2,6%
Paiol — 2,5%
Sexismo — 2,3%
Especulação — 2,0%

Segunda a nota da Porto Editora, o concurso Palavra do Ano foi criado com o objetivo de ressaltar “a importância e a força das palavras na construção e na interpretação do nosso cotidiano, bem como a riqueza lexical e o dinamismo criativo da língua portuguesa. As conversas, os debates e a participação crescente das pessoas ao longo dos anos comprovam isso”. A palavra “enfermeiro” junta-se às outras nove eleitas nos anos anteriores: esmiuçar (2009), vuvuzela (2010), austeridade (2011), entroikado (2012), bombeiro (2013), corrupção (2014), refugiado (2015), geringonça (2016) e incêndios (2017).