Sete obras que fazem do Rio de Janeiro a capital mundial da arquitetura - Traduzca - Tradução juramentada, simultânea e documentos. Orçamento online!
Nova edição de livro de 1950 só pode ser lida quando exposta ao fogo
17 de janeiro de 2019
Cinco curiosidades sobre o escritor inglês George Orwell
21 de janeiro de 2019

Sete obras que fazem do Rio de Janeiro a capital mundial da arquitetura

Os cariocas, sejam eles de nascença ou de coração, acordaram com uma ótima notícia nesta sexta-feira, dia 18 de janeiro. A Cidade Maravilhosa, como é conhecida no mundo todo, foi eleita pela Unesco como a capital mundial da arquitetura. O Rio de Janeiro é a primeira cidade do mundo a receber esta honraria, pois guarda 450 anos de história que perpassam todos os períodos da arquitetura global. Para celebrar o título, o blog da Traduzca traz sete obras, uma de cada época, para você entender por que a capital fluminense recebeu o título.

Período colonial

Durante o período colonial, a arquitetura carioca foi inspirada no estilo europeu. Um dos marcos da cidade na época era a Praça Quinze, também conhecida como Largo do Terreiro do Polé. Remodelado nos anos de 1990, o espaço era utilizado como local para venda de pescados e hortifrutigranjeiros na cidade no século XVII.

Período neoclássico

Quando a família real portuguesa desembarcou no Brasil, a arquitetura nacional passou a viver uma nova fase. No Rio de Janeiro, não foi diferente. Um exemplo do período neoclássico da cidade é o Portal da Real Academia de Belas Artes, que serve de entrada para o prédio inaugurado em 1826 e demolido em 1930.

Período eclético

A virada para o século XX trouxe transformações no mundo todo. Em 1905, a prefeitura carioca inaugurou a Avenida Rio Branco. Batizada originalmente como Avenida Central, o espaço foi inspirado nos boulevards franceses e foi a primeira via do Rio a ter energia elétrica. Os trinta prédios construídos ao longo do logradouro foram erguidos no estilo art nouveau.

Período art nouveau

Falando em art nouveau, este movimento arquitetônico deixou marcas na cidade. Frequentada até hoje, a Confeitaria Colombo foi inaugurada em 1894 por imigrantes portugueses. Os salões contam com vitrais, azulejos, bancadas em mármores e vitrines em jacarandá.

Período art déco

Antes mesmo de ser eleita como a capital mundial da arquitetura, o Rio de Janeiro já tinha o título de capital do art déco na América Latina. Com o visual marcado por motivos geométricos, formas aerodinâmicas e uso de materiais diversificados, o grande expoente deste estilo é a estátua do Cristo Redentor. Porém, o Palácio Duque de Caxias não pode ficar fora desta lista. Inaugurado em 1941, o prédio é feito em concreto armado, a fachada é revestida em granito e conta com decorações em baixo relevo.

Período moderno

O período moderno chegou na metade do século XX, com alternativas às escolas de arquitetura tradicionais. O exemplo mais famoso deste período é o calçadão de Copacabana, que passou por uma reurbanização em 1971 e mudou a cara do bairro. O mosaico na beira da praia mais famosa da cidade tem pedras portuguesas brancas e pretas reproduzindo as ondas do mar.

Período contemporâneo

O período que vivemos hoje é chamado de período contemporâneo, e o Rio de Janeiro apresenta obras de encher os olhos. O Museu do Amanhã, que falamos aqui no blog, é o exemplo mais recente, mas o espaço Cidade das Artes também é um dos cartões postais mais visitados. O formato do prédio remete a velas de concreto içadas entre o mar e as montanhas da Barra da Tijuca.

Comentários