Três dicas para encontrar informações sobre sua árvore genealógica
Artista italiano cria retratos de celebridades usando cubos mágicos
8 de maio de 2019
Quem assistiu televisão nos últimos 30 anos conhece a história do Chaves. Uma das séries de TV mais marcantes da história conta o cotidiano de um menino órfão que mora em uma vila dentro de um barril. Agora imagine atravessar o Oceano Atlântico em um objeto similar ao usado como moradia pelo clássico personagem. Foi o desafio encarado e concluído pelo francês Jean-Jacques Savin, de 72 anos, na última quinta-feira, dia 9 de maio, após quatro meses de viagem pelo mar.
Francês atravessa o Oceano Atlântico dentro de um barril
10 de maio de 2019

Três dicas para encontrar informações sobre sua árvore genealógica

O Brasil é um país multicultural. Ao longo de nossa história, recebemos imigrantes de várias partes do mundo, que aqui criaram novas raízes e formaram famílias. Porém, com o passar dos anos, alguns registros foram se perdendo, seja com documentos que não existem mais, nomes e sobrenomes com grafias diferentes ou pela não continuidade da história familiar.

Com o avanço da tecnologia, porém, está cada vez mais fácil fazer um trabalho de pesquisa para descobrir as origens e os antepassados de cada família. Sites e ferramentas gratuitas ajudam qualquer pessoa a buscar a sua própria história, sem muito esforço. Hoje listamos três dicas de como fazer isso.

Busca na internet

Muitos sites oferecem serviços gratuitos de pesquisas. Um dos mais famosos é o Family Search, administrado pela Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, onde é possível encontrar registros e documentos de imigrantes que chegaram ao Brasil entre 1920 e 1980. Outro portal é o Geneanet, que tem uma base de dados com mais de 6 bilhões de pessoas em árvores genealógicas.

Bibliotecas especializadas

Algumas cidades espalhadas pelo mundo têm bibliotecas especializadas neste assunto. A de Salt Lake City, nos Estados Unidos, é a que administra o maior banco de dados do gênero, com 3,3 bilhões de nomes de pessoas dos cinco continentes. Outro exemplo é a Biblioteca Genealógica de Lisboa, inaugurada em 2006, que concentra um grande volume de informações.

Lugares no Brasil

O principal banco de dados do gênero no Brasil é o Arquivo Nacional do Rio de Janeiro. Lá é possível encontrar listas de imigrantes que chegaram ao nosso país de navio entre 1875 e 1910 e pedidos de naturalização desde 1823. Em São Paulo, o Museu da Imigração disponibiliza registros de pessoas que desembarcaram por aqui entre os séculos XIX e XX. Além disso, também é possível contatar grupos de pesquisa, como a Associação Brasileira de Pesquisadores de História e Genealogia (Asbrap), que auxilia na pesquisa genealógica.